Estudo 9

O ESPÍRITO SANTO E OS DONS

Uma das mais importantes obras do Espírito Santo com relação à igreja é a capacitação de seus membros através dos dons espirituais. Ao falar sobre este tema o apóstolo Paulo compara a igreja com o corpo humano. Os cristãos são os membros deste corpo, em que cada um tem uma função determinada pelo Espírito por meio dos dons e habilidades recebidos. Vejamos o que a Bíblia nos ensina: 

 

  1. A variedade dos dons (1 Coríntios 12:4-6; Romanos 12:6-8)

            Nem todos recebemos o mesmo dom, mas o dom que recebemos é importante e útil. Os efeitos e os resultados de cada dom são diferentes entre si, pois atendem às circunstâncias variadas. Todavia, o texto de 1 Coríntios 12:4-6 também sugere unidade: o Espírito é o mesmo; o Senhor é o mesmo; o mesmo Deus é quem opera. Isso significa que os dons, embora diversos, servem a uma mesma causa: a obra de Deus; que ninguém deve se envaidecer, por possuir algum dom, pois é Deus quem opera, não o ser humano.     

 

  1. A distribuição dos dons (1 Coríntios 12:7-11)

Ninguém pode ser portador dos dons espirituais, se o Espírito Santo não lhe conceder tal benefício. Podemos aprender sobre os dons, numa sala de aula, e até nos tornar peritos no assunto, mas só podemos exercitá-los se o Espírito Santo assim o quiser. Determinados dons podem ser almejados, mas cabe ao Espírito a palavra final. É ele quem distribui os dons, como lhe apraz (1Co 12:11). É na dependência do Espírito Santo que expressaremos a palavra da sabedoria, que teremos autoridade para curar, que ministraremos operações de milagres, profecias, discernimento de espíritos e falemos novas línguas. 

 

  1. O propósito dos dons (Efésios 4:11-13).

 Os dons espirituais têm um propósito, mas há quem o desconheça ou o ignore. Não é a finalidade dos dons a promoção pessoal. Quem recebe um dom de Deus não deve achar-se mais espiritual ou mais importante que os outros. Os dons também não visam promover divisão. Quem possui determinado dom não deve excluir quem não o tem, nem ignorar a importância dos outros, dentro do corpo de Cristo. O texto bíblico é claro: os dons são dados para o aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo (Ef 4:12). Os dons nos ajudam a servir ao Senhor e ao próximo com maturidade. Eles servem para que a igreja cumpra a sua missão.  

 

  1. A importância dos dons (1 Coríntios 12:21-24)

  Para enfatizar a importância dos dons, o apóstolo Paulo trata sobre a importância dos membros do corpo humano. Por menor que pareça, cada membro tem sua utilidade no corpo, de modo que não podem os olhos dizer à mão: Não precisamos de ti; nem ainda a cabeça, aos pés: Não preciso de vós (1Co 12:21). A ausência de um membro enfraquece e limita o corpo. Assim são os dons espirituais: apesar de serem diversos, cada um tem grande relevância. Todos são úteis na edificação do corpo de Cristo. Eles trabalham juntos, unidos, sem rivalidade, sem ciúme, em harmonia. Cada membro, com seus dons, faz diferença e torna o corpo de Cristo robusto. 

 

  1. A procura dos dons (1 Coríntios 12:31)

Os dons são distribuídos soberanamente pelo Espírito Santo, do modo que lhe apraz (1Co 12:11). Isso, todavia, não significa que não podemos procurar ou desejar certos dons. Ainda que essa procura não seja garantia de que receberemos os dons que desejamos, podemos pedi-los a Deus. Sim, podemos procurar com zelo os melhores dons, afirma Paulo em 1 Co 12:31. Todos os dons são úteis e importantes; contudo, de acordo com a Bíblia, existem os melhores dons, que propiciam mais benefícios para o corpo, já que o intuito dos dons é a edificação da igreja. Contudo, quem possui os melhores dons não é mais importante que aqueles que não os possuem. 

 

  1. A utilização dos dons (1 Coríntios 13:1-3)

Os dons são importantes e necessários; visam à edificação da igreja. O Espírito é quem os concede aos membros do corpo de Cristo. Apesar disso, os dons não devem ser utilizados de qualquer maneira. De nada adianta possuirmos dons, se não os exercitarmos com amor. Segundo o texto sagrado de 1Co 13:1-3, é inútil falar a língua dos homens e dos anjos, profetizar, demonstrar atitudes de fé, praticar a generosidade, sem amor. Sem amor, podemos ter dons e, ao mesmo tempo, um coração soberbo; corremos o risco de servir os outros alimentando a natureza pecaminosa (Gl 5:13). O amor é o caminho superior (1 Co 12:31). 

 

  1. O descaso com os dons (1 Coríntios 12:1; 1 Pedro 4:10-11)

O descaso com os dons se manifesta por meio da ignorância. Há quem almeje receber dons, mas não se interesse por estudá-los e conhecê-los. Mas não podemos ser ignorantes acerca dos dons (1Co 12:1). Precisamos saber usar as dádivas que o Senhor nos deu. O descaso com os dons também se manifesta na omissão. Há quem receba dons e se omita de utilizá-los. É preciso servir uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu (1Pd 4:10). Em vez de enterrar nossos talentos, ouçamos a voz de Paulo ecoar em nossa consciência: … não desprezes o dom que há em ti (1 Tm 4:14).  

Posts Recomendados