Estudo 8: O ESPÍRITO SANTO E A SANTIDADE

Estudo 8

O ESPÍRITO SANTO E A SANTIDADE

Uma das mais extraordinárias obras que o Espírito Santo realiza na vida de um cristão é a santificação. Esta é uma ação graciosa e delongada que ele realiza em nós com amor e paciência. O fato é que a partir do momento em que entregamos a nossa vida a Cristo e fomos justificados pela fé, o Senhor começou essa obra em nós. Seu projeto é nos fazer parecidos com Jesus Cristo. Hoje vamos refletir sobre essa relação entre o Espírito Santo e a nossa vida de santidade.

 

  1. Onde ele habita, a casa fica limpa! (Romanos 8:9-12)

Romanos 8:9-12 nos mostra como a presença do Espírito em nós é marcada pela santidade. Primeiro, a nossa vida não é mais direcionada pela carne, pois Deus agora está em nossa “casa”. Segundo, o corpo, embora enfraquecido pelo pecado, tem vida, pela prática da vontade do Senhor. Terceiro, a presença de Deus, dentro de nós, nos garante uma vitalidade renovadora, porque o mesmo Espírito que ressuscitou Jesus atua para vivermos para a glória de Deus. Nosso corpo é a casa de Deus; o que fazemos com ele pode trazer alegria ou tristeza para o Senhor. Nossos pensamentos, nossas palavras, nossas ações, nossas roupas e nosso comportamento devem ser agradáveis a Deus. 

 

  1. Ele atua em nossa santificação (2 Tessalonicenses 2:13-14)

Santificação nada mais é que uma vida guiada pelo Espírito, cujos frutos são: o amor a Deus, a obediência à Palavra e as boas obras ao próximo. A santificação é a “salvação” presente que nos levará à salvação futura, a glorificação. Paulo, aos cristãos tessalônicos (2:13-14), mostra justamente esse movimento. Fomos salvos no passado, o que nos abriu a porta de graça, para andarmos retamente. E este caminho nos leva ao futuro, junto de Deus e de seus santos. Ao logo dessa jornada, andamos guiados pelo Espírito Santo; afinal, é ele quem atua em nossa santificação e cria em nós o desejo de nos parecermos com Jesus. Sem essa ajuda, não conseguimos viver em santidade. 

 

  1. Produz a tristeza segundo Deus (2 Coríntios 7:10)

Nem sempre tristeza significa algo para nos derrubar. Parece até estranho que Paulo, que diz para nos alegrarmos, trate sobre uma tristeza provocada pelo Senhor (Fl 4:4; 2 Co 7:10). Paulo se refere a uma carta anterior, que havia escrito aos coríntios, que o haviam entristecido. Porém, diz que isso era para levá-los ao arrependimento. A tristeza segundo Deus era para conscientizá-los de seus pecados e levá-los a uma nova atitude. A tristeza do mundo mostra os nossos erros e nos faz desistir do caminho; a tristeza provocada por Deus nos devolve a alegria da salvação.

 

  1. Seu trabalho é progressivo (2 Coríntios 3:18, Filipenses 1:6)

A vida cristã não é instantânea, como um macarrão feito em 3 minutos. É uma jornada ascendente, em que, a cada dia, a graça de Deus atua e nós respondemos, obedecendo à Palavra de Deus. Na linguagem de 2 Coríntios 3:18, vamos crescendo de glória em glória, pelo poder do Espírito. A obra da salvação, iniciada no dia de nossa conversão, passa por toda a nossa história e se encerra na glorificação (Fp 1:6). Quanto mais o Espírito age em nossa vida, mais desejamos a santificação e, por consequência, crescermos na vida cristã. Apesar de nossas limitações, somos chamados a progredir na fé, pelo agir de Deus. 

 

  1. A luta entre a carne e o Espírito (Gálatas 5:16-21)

A vida cristã pode ser muito bem considerada uma batalha e um ringue. Afinal, a natureza humana caída, mesmo derrotada em nós, ainda conspira contra a inclinação espiritual criada pelo Senhor, dentro de cada cristão. Um ringue, porque é uma luta entre nossos desejos maus e nossos novos impulsos gerados pela presença do Espírito (Gl 5:16-21). Somente quem é cristão vive com esse dilema consciente, pois percebe que seus desejos ruins desagradam ao Pai. Por isso, o Espírito manifesta toda a sua contrariedade, quando desobedecemos à Palavra de Deus. Ele se opõe energicamente contra a nossa carnalidade. 

 

  1. Gerando em nós o caráter de Cristo (Gálatas 5:22-23)

O Espírito trabalha para que, inclinados a sua vontade, desenvolvamos o seu fruto e não as obras da carne, que só desaparecerão complemente na volta de Jesus.  É necessário que sejamos mais amorosos, bondosos, pacientes, controlados, fiéis etc. (Gl 5:22-23). Temos de frutificar, para termos grande colheita espiritual. Quando nos submetemos à vontade de Deus e, diante de seu poder, vivemos a Palavra, estamos nos parecendo mais com nosso Senhor. Deus nos capacitou com o Espírito, para andarmos nos mesmos passos de Jesus. Certamente, este caminho não é fácil de percorrer, mas é possível. O Espírito age, gerando em nós o caráter de Cristo.

 

  1. Vivendo e andando no Espírito (Gálatas 5:24-25)

Gálatas 5:24-25 nos mostra importantes detalhes sobre a alteração causada pela salvação em nossa vida. Estamos “crucificados” para nossos desejos, ou seja, eles foram vencidos pelo poder que vem da cruz de Jesus. O segundo ponto é que, com a vinda do Espírito para nós, nossa vida é presidida por ele. Sua presença nos submete novamente à vivência da lei de Deus. Sendo assim, temos de andar no Espírito, ou seja, obedecendo-lhe. Se dissermos que somos sua habitação, também devemos caminhar conforme sua legislação: a Palavra de Deus. Assim, correspondendo a sua presença em nós, chegaremos ao fim e seremos glorificados.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp